ULTIMAS NOTÍCIAS

Atriz pornô tira roupa no tribunal e dá em cima de juiz para não ser presa


Essa mulher acima causou um rebu inédito num tribunal. A americana Susan Surrette, de, pelo jeito, bem rodados 54 anos, deixou o juiz John Hurley, da Flórida, de boca aberta. O magistrado ficou pasmo porque Susan, acusada de aprontar confusão na rua por estar bêbada e por desacato, decidiu fazer algo inesperado e não muito lúcido em sua defesa. A coroa simplesmente levantou a blusa e deu uma piscadelas para o juiz em pleno julgamento, tentando, imagine só, se livrar da cana.

Susan, que diz trabalhar como dançarina e atriz de filmes adultos, fora outras atribuições clandestinas, já tinha sido detida outras vezes por brigar na rua e dirigir bêbada. Ela fez essa foto na hora da prisão. Parece que Susan estava meio alterada de tanto consumir whisky.

Diante do juiz Hurley, por meio de videoconferência, a desinibida Susan, cujo nome de guerra é Kayla Kupcakes, começou fazendo sua defesa, ainda vestida. De acordo com o jornal Daily Star, Susan disse que é "uma mulher trabalhadora"

Ah, sim, Susan, ou Kayla Kupcakes, tem até site em que exibe seus atributos e dá seu "telefone de contato"

O juiz perguntou, curioso: "A senhora é acusada de promover a desordem pública, causar confusão por estar embriagada e está presa. Do que a senhora trabalha exatamente?"

Susan, ou Kayla, que se exibe em centenas de fotos bem à vontade na internet, foi clara e precisa: "Sou uma garota de programa"

O magistrado quis saber, tentando descobrir outros detalhes: "Mas tem algum outro serviço? Só trabalha à noite?"

"Não, de dia também", disse Susan/Kayla. "Já fui espancada pela polícia, inclusive na última vez em que fui detida.

Em seguida, ela completou: "Trabalho com meu corpo. Veja isso. Olha as marcas de que apanhei da polícia" Na sequência, ela levantou a blusa.

Ela continuou com a blusa levantada e mostrou seus implantes de silicone por mais alguns segundos. Deu, ainda, uma piscadela e um sorriso para o juiz. Hurley ainda balbuciou, cobrindo a boca: "Oh, não! Não é possível"

O juiz pediu então que ela se retirasse. O advogado de Susan ainda ponderou: "É uma pessoa que precisa de ajuda. Na cadeia ela pode piorar"

Foi o que o magistrado concluiu mesmo: estabeleceu uma fiança de cerca de R$ 340 para ela ser solta e ordenou que ela procurasse ajuda psiquiátrica. "Ela precisa passar por uma avaliação médica urgente"

Susan pode, se uma junta médica determinar, passar um tempo internada no sanatório. Ela foi solta e já recebeu, de amigos e até de "clientes", apoio para recomeçar a vida longe "das confusões"

Hora 7













Postagem mais recente Postagem mais antiga