ULTIMAS NOTÍCIAS

Polícia Federal prende grupo pessoas que planejavam ataque terrorista durante Olimpíada


A Polícia Federal prendeu um grupo que preparava atos terroristas durante os Jogos Olímpicos, e o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, detalhou as prisões em uma entrevista coletiva nesta manhã. As 10 prisões de brasileiros aconteceram em 10 estados diferentes, mas há outros dois mandados de prisão. De acordo com o ministro, o grupo jurou lealdade ao Estado Islâmico pela internet e ficará preso por 60 dias.
Entre eles, os membros se comunicavam pelo WhatsApp, Telegram e redes sociais. Havia um líder de Curitiba, no Paraná, que orientava os participantes desta cédula, que nunca e marcou um encontro pessoalmente, exceto duas duplas separadamente. Eles discutiam o treinamento de artes maciais, a compra de armamento e os possíveis alvos no Rio de Janeiro.
- Um deles entrou em contato com o site de armas clandestinas no Paraguai para comprar um fuzil AK 47 para a relização de uma operação. Não há informação de que ele tenha conseguido adquirir esse fuzil, mas esse sentido e a informação circulando entre eles sobre a compra é um ato preparatório.
Segundo o ministro, os suspeitos comemoraram os atentados em Orlando, nos Estados Unidos, e de Nice e Paris, na França.
Um dos membros pensava em procurar, no exterior, representantes do Estado Islâmico, mas desistiu por causa de uma "impossibilidade financeira".
- Em nenhum momento, eles falam em bomba, por exemplo.
Segundo o ministro, as informações sobre os presos são sigilosas, por determinação judicial. Portanto, nome, idade e profissões não foram divulgados durante a coletiva.
De acordo com a Polícia Federal, a Operação Hashtag busca desarticular grupo envolvido na promoção do Estado Islâmico e na execução de atos preparatórios para atentados terroristas, e cerca de 130 policiais cumprem mandados judiciais expedidos pela 14ª Vara Federal de Curitiba. São 10 prisões temporárias, duas conduções coercitivas e 19 buscas e apreensões, nos estados do Amazonas, Ceará, Paraíba, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso
As investigações tiveram início em abril e conduzida pela Divisão Antiterrorismo da Polícia Federal - DAT. Os envolvidos participavam de um grupo virtual denominado Defensores da Sharia e planejavam comprar armamentos para cometer crimes no Brasil e até mesmo no exterior.
Uma ONG com atuação na área humanitária e educacional também é investigada por participação no caso.
Segundo a PF, os envolvidos responderão individualmente pelos crimes de promoção de organização terrorista e realização de atos preparatórios de terrorismo, ambos previstos na Lei 13.260/2016.
A pena para o primeiro crime é de cinco a oito anos de prisão, além do pagamento de multa. Para quem executa atos preparatórios, a pena varia de três a 15 anos de prisão.

Extra Online

Postagem mais recente Postagem mais antiga