ULTIMAS NOTÍCIAS

Projeto da prefeitura de Fortaleza vira ponto de encontro de marginais nos fins de semana


Som de “paredões” em alto volume, drogas, bebidas e armas. Este é o cenário de um projeto que a Prefeitura Municipal de Fortaleza (PMF) inaugurou como forma de tirar a juventude da criminalidade, mas que, em poucos dias, se transformou em mais um reduto do crime na periferia de Fortaleza.

Tudo isso vem acontecendo há, pelo menos, três fins de semana desde que o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), inaugurou com festa a Areninha da Barra do Ceará, localizada precisamente na Comunidade das Goiabeiras, na zona Oeste da Capital.

Enquanto o campo gramado serve de local para a salutar prática de esportes para adolescentes e adultos, no entorno da arena o cenário é outro. Do alto do morro, dezenas de jovens se reúnem todos os fins de semana para consumir drogas e bebidas, exibir armas e se divertir ao som de “paredões” ou caixas de som de alto volume executando músicas de letras pornográficas, incitação ao crime ou de exaltação ao crime.

E o pior, mesmo diante das queixas da população, as autoridades da Segurança Pública não adotam nenhuma atitude para conter os gangueiros. No último fim de semana, uma “festa” organizada pelos baderneiros teve início da sexta-feira à noite e só terminou na madrugada de segunda, sem interrupção, apesar de várias ligações feitas pelos moradores para a Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops).

Tragédia anunciada?

Nem Polícia Militar, nem Guarda Municipal nem qualquer outro órgão de combate ao crime ou de proteção ao meio-ambiente ali apareceu para dar um basta na festa do Crime. O resultado disso foi desastroso, com os moradores do bairro acuados dentro de suas casas, sem poder dormir durante três dias.  Nenhuma viatura da 3ª Cia do 5º BPM (unidade da PM responsável pela segurança do bairro), do Ronda do Quarteirão ou de outro batalhão ali apareceu. O Comando da PM silencia sobre o fato. E novos distúrbios devem acontecer no próximo fim de semana, no mesmo local.

Idosos, pessoas enfermas, crianças e recém-nascidos tiveram que ser levados para a casa de familiares em outros bairros, já que nenhuma providência foi tomada para barrar o som nas alturas e a farra dos baderneiros.  Motocicletas irregulares – muitas roubadas – carros com som em alto volume e outras barbaridades foram registradas nos três dias de festa do Crime.  A quem apelar?  Para os moradores, o risco de um conflito armado entre gangues no local pode acontecer a qualquer momento. Como numa espécie de tragédia anunciada, as autoridades somente vão tomar providências quando ali acontecer algo de muito grave, como um tiroteio e até uma chacina.

Blog do fernando Ribeiro

Postagem mais recente Postagem mais antiga