Header Ads

Header ADS

TV Varjota em Destaque - Ao vivo

Líder da facção GDE mantinha contato com políticos cearenses



A suspeita de relação entre facções criminosas e o mundo da política aumentou, para a Polícia cearense, com a descoberta de conversas em um aplicativo de mensagens. O aparelho celular apreendido com Marcos da Silva Pereira, o 'Marquim Chinês', apontado como um dos fundadores do grupo criminoso Guardiões do Estado (GDE), continha diálogos com um prefeito do Interior do Ceará, um ex-secretário estadual e um candidato a vereador em Fortaleza, conforme documentos obtidos com exclusividade pelo Sistema Verdes Mares.

'Marquim Chinês' foi preso em uma investigação da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), da Polícia Civil, em 19 de setembro do ano passado. Ele foi perseguido por uma composição policial até parar o veículo que dirigia, em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Com o suspeito, a Polícia apreendeu R$ 18,5 mil em espécie e um celular quebrado. Durante a perseguição, 'Marquim' se desfez de um objeto pela janela.

Os policiais responsáveis pela prisão identificaram que o celular tinha sido danificado há pouco tempo. Ao ser questionado se havia quebrado o aparelho, o líder da GDE respondeu, em depoimento, que "deu uma doida em mim, aí eu quebrei o celular". Depois, alegou que tinha conteúdo íntimo nas mídias. Sobre a tentativa de fugir da Polícia, ele disse pensar que o grupo que o perseguia em um automóvel "era inimigo, CV" (em referência à facção rival Comando Vermelho).

Para dar continuidade à investigação, a Draco solicitou à Justiça o acesso ao telefone. Após a ordem judicial, equipes da Perícia Forense do Ceará (Pefoce) e do Departamento de Inteligência da Polícia Civil (DIP) recuperaram e extraíram os dados do aparelho celular do preso. A análise revelou a proximidade do suposto líder da facção com políticos do Ceará, conforme apurado pela reportagem.

Segundo a investigação policial, um dos números de telefone com o qual 'Marquim' mantinha contato, pelo aplicativo WhatsApp, era do atual prefeito de um município localizado na Região Jaguaribana. A Polícia não conseguiu recuperar mensagens trocadas entre os dois, mas confirmou "não restar dúvidas de que o prefeito estava mantendo contato pelo WhatsApp com um dos líderes da GDE".

'Marquim' também conversava com um ex-secretário adjunto do Governo do Estado, que utilizava o celular institucional para tal. A investigação encontrou mensagens em que o secretário dizia: "Bom dia, meu amigo. Sdds (saudades) de vc (você). Agora q (que) terminou a eleição. Vamos resolver viu (sic)". A Draco concluiu que a conversa "demonstra uma relação de intimidade e confiança entre os dois".

Depoimento

O ex-secretário estadual prestou depoimento à Delegacia, no fim do ano passado, e negou qualquer relação criminosa com a facção. Ele contou que foi procurado por 'Marquim Chinês' durante visita a um projeto social numa comunidade no bairro Papicu, quando o criminoso pediu recursos para a comunidade. Segundo o depoente, a palavra "resolver" utilizada na mensagem se referia justamente à solução dessa demanda, que não podia ser dada durante o período eleitoral.

Os investigadores também encontraram conversas entre 'Marquim' e um candidato a vereador por Fortaleza em 2012 - e não eleito. Em um dos diálogos, o político chama o homem que viria a ser preso de "patrão".

Outro registro descoberto através dos dados do chip foi a comunicação de 'Marquim Chinês' com um homem que está preso no Instituto Penal Professor Olavo Oliveira (IPPOO) II desde junho de 2017. Segundo a investigação, o detento é um criminoso perigoso, com histórico de resgates dentro de unidades penitenciárias. Para a Polícia Civil, a análise e o acompanhamento de pessoas ligadas a diversos segmentos demonstram as conexões políticas e criminosas do líder da GDE.

Distribuidor

De acordo com a Polícia, 'Marquim' é um dos fundadores da facção local GDE e responsável pelo tráfico de drogas, principalmente na região do Papicu, Meireles e Praia do Futuro, em Fortaleza. A Polícia acredita que ele era um importante distribuidor de entorpecentes da organização criminosa e estaria ligado ainda a homicídios ocorridos na região que atuaria.

Em depoimento, o preso confessou que tinha sido batizado pela GDE, mas negou a liderança e alegou que é morador de uma comunidade no Papicu - dominada pela facção - e o ato de recusar a filiação poderia resultar em sua morte. A defesa de 'Marquim Chinês' não foi localizada pela reportagem.

 Diario do Nordeste
Tecnologia do Blogger.