Header Ads

Header ADS

RÁDIO VARJOTA - AO VIVO NA TV

Justiça solta advogados que formaram esquema de corrupção para soltar bandidos de facções



A Justiça mandou soltar, nesta terça-feira (13), 10 pessoas acusadas de envolvimento em uma organização criminosa que atuava na Justiça e em delegacias da Polícia Civil para beneficiar bandidos de facções criminosas presos em ações policiais. Entre os beneficiados com habeas corpus estão oito advogados.

Todos haviam sido presos preventivamente no último dia 5, na “Operação Rábula” realizada pelo Ministério Público Estadual (MP-CE), através do Grupo Especial de Atuação Contra o Crime Organizado (Gaeco); e pela Secretaria da Segurança Pública e de Defesa Social (SSPDS), através da sua Coordenadoria de Inteligência (Coin).

Nesta terça-feira, ganharam alvará de soltura os seguintes advogados: Fabíola Joca Nolêto, Socorro Maia Landim, Erlon Sílvio Moura de Oliveira, Ilomius Máximo Ferreira Saraiva, Hélio Bernardino e Samya Brilhante Lima.

Também já estão em liberdade outros quatro implicados nas investigações: Juliane da Costa Negreiros da Silva, Antônio Elton de Oliveira Lima, Francisco Santorélio da Costa Pontes e Luciano Firmino Bernardo Júnior. São três funcionários do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará e um policial militar.

Primeira quadrilha

Nas investigações realizadas pelos promotores, com a quebra de sigilo telefônico autorizada pela Justiça, foi descoberta a ação criminosa de dois grupos. Um deles tinha o envolvimento de duas advogadas, irmãs, que participavam direta e indiretamente de furtos em caixas eletrônicos em agências bancárias em Fortaleza. As advogadas Sâmya e Suellen Brilhante Lima. As duas irmãs tiveram prisão preventiva decretada.

Deste grupo também tiveram a prisão preventiva ordenada pela Justiça as seguintes pessoas investigadas: Rogério Said (ladrão de bancos e ex-companheiro da advogada Sâmya Brilhante), Phablo Henrique Pinheiro do Carmo e Rafael Luiz Cruz da Silva (arrombador de caixas).

Segunda quadrilha

O segundo grupo contava com a “colaboração” de policiais civis e funcionários da Justiça para agilizar a soltura de bandidos cuja defesa era patrocinava pelos advogados envolvidos no esquema de corrupção, estelionato, falsificação de documentos, concussão, tráfico de influência e exploração de prestígio, segundo a denúncia ofertada pelo MP junto à Vara de Delitos de Organizações Criminosas.

Faziam parte do esquema criminoso os seguintes advogados: Fabíola Joca Nolêto, Socorro Maia Landim, Erlon Sílvio Moura de Oliveira, Ilonius Máximo Ferreira Saraiva, Hélio Bernardino e também Sâmya Brilhante Lima, além de Juliane da Costa Negreiros da Silva, Antônio Elton de Oliveira Lima, Francisco Santorélio da Costa Pontes e Luciano Firmino Bernardo Júnior.

Nas investigações, ficou evidenciado que Antônio Elton de Oliveira Lima, técnico judiciário do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, era o responsável dentro do esquema para agir em colaboração com os demais denunciados pelo MP para garantir a soltura de criminosos.

Também estava integrada ao esquema de corrupção dentro da Justiça, de acordo com o MP, Maria Mercês Justino da Silva, funcionária à disposição do Ministério Público que trabalhava no Fórum da cidade de Maracanaú.

Informações Fernando Ribeiro
Tecnologia do Blogger.