Header Ads

Header ADS

Açude Araras entre os dez que receberam maior volume de água nos últimos dias



Com 2,73 bilhões de metros cúbicos de água, os açudes cearenses têm 40% mais água nesta sexta-feira, 7, do que no mesmo dia do ano passado. Um ano atrás, a situação era mais crítica, com apenas 10,47% da capacidade preenchidos, ou seja, 1,95 bilhão de m³. As informações são da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh).
Neste início de quadra chuvosa, os açudes têm 14,65% do volume. Os números são melhores no sistema que abastece a Região Metropolitana de Fortaleza (Pacajus, Pacoti, Gavião e Riachão), com o dobro da água que tinham em 7 de fevereiro de 2019.
Contudo, os principais açudes, Orós e Castanhão, têm situação pior que um ano atrás. Inclusive, os números pioraram desde janeiro. O Orós tinha 5,4% de sua capacidade preenchidos, caiu para 5,2% no início de janeiro e agora tem apenas 4,8%.
O Castanhão tinha 3,68% antes da quadra chuvosa de 2019. Atualmente, está em volume morto, com 2,47%. Da capacidade de 6,7 bilhões de m³, tem 165 milhões de m³.
Comparando a situação das bacias, todas estão com volume maior do que na mesma data de 2019, exceto as bacias do Salgado, Banabuiú, Alto Jaguaribe e Médio Jaguaribe.

Os dez açudes que receberam maior aporte entre 6 e 7 de fevereiro de 2020 são:

Itaúna - Coreaú: 849 mil m³
Araras - Acaraú: 819 mil m³
Acaraú Mirim - Acaraú: 727 mil m³
Gangorra - Coreaú: 528 mil m³
Jaburu I - Serra da Ibiapaba: 504 mil m³
Pentecoste - Curu: 362 mil m³
Gameleira - Litoral: 317 mil m³
Quandú - Litoral: 270 mil m³
Angicos - Coreaú: 237 mil m³
Malcozinhado - Metropolitanas: 203 mil m³

Os seis primeiros dias de fevereiro garantiram 50% do volume de chuvas considerado dentro da média para o mês, no Ceará. Foram 59,2 milímetros (mm) em média, ante os 118,6 mm esperados.
As chuvas têm sido bem distribuídas dentre as oito macrorregiões do Estado, conforme o Calendário de Chuvas da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). O melhor índice é do Litoral de Fortaleza, que já alcançou quase 74,10% do esperado para o mês. Regiões consideradas mais críticas como Sertão Central e Inhamuns, Jaguaribana e Cariri também têm recebido bons aportes.

Todas as macrorregiões foram banhadas pelas águas dos primeiros dias da estação chuvosa: Jaguaribana (61,2 mm), Maciço de Baturité (67,8 mm), Sertão Central e Inhamuns (51,3 mm), Litoral de Pecém (57,9 mm), Cariri (69,5 mm), Litoral Norte (62, 5 mm) e Ibiapaba (51,8 mm). Uma das regiões mais críticas do ponto de vista do abastecimento hídrico, Jaguaribana registrou 53,3% do volume médio do mês, seguido de Sertão Central e Inhamuns (48,7%) e Cariri 41,6%.

O volume dos primeiros seis dias da quadra tem confirmado expectativa do prognóstico para a estação chuvosa. São 45% de probabilidade de chuvas acima da média para o primeiro trimestre.

A possibilidade mais animadora é seguida de 35% de chances para a categoria em torno da normal e 20% para a categoria abaixo da normal para o trimestre.

A previsão da Funceme é de que fevereiro e março sejam os meses mais chuvosos do quadrimestre chuvoso. Em 2019, os quatro meses do período chuvoso finalizaram com volume dentro da média (676,3 mm).

Fonte: O POVO Online
Tecnologia do Blogger.