Header Ads

Header ADS

Policial penal vendia celulares no presídio e ia participar da fuga de chefes de facções



Uma investigação sigilosa realizada por agentes da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário do Ceará (CGD) e a Secretaria da Administração Penitenciária do Ceará (SAP) revelou que um agente penitenciário levava celulares para dentro de um presídio do Complexo Penitenciário da Região Metropolitana de Fortaleza e participava de um plano para entregar armas aos detentos e dar apoio a uma fuga.

O agente confessou na Delegacia de Assuntos Internos (DAI), da CGD, na última terça-feira (9), que começou a aceitar as encomendas de uma facção local para levar celulares aos internos do Instituto Penal Professor Olavo Oliveira (IPPOO) II, em Itaitinga, em janeiro deste ano, para sustentar o vício em apostas de jogos de futebol. Ele recebia R$ 2 mil por cada aparelho entregue.

O pagamento chegou a ser feito através de transferência bancária para a conta da namorada do agente penitenciário, mas depois o dinheiro passou a ser entregue em espécie, por esposas de detentos, em um shopping localizado no bairro Papicu, em Fortaleza.

O servidor afirmou que realizou três negociações, sendo que uma delas rendeu R$ 16 mil (equivalente ao valor da entrega de oito celulares). Os contatos eram duas lideranças da facção criminosa.

No plano mais ousado, o agente seria feito refém, em uma rebelião no IPPOO II, promovida por detentos que estariam na posse das armas levadas por ele. O servidor chegou a receber R$ 25 mil adiantados, em mais um encontro no shopping. Segundo ele, o dinheiro já foi todo gasto com apostas.

O agente afirmou à DAI que não chegou a receber as armas porque a facção estava com dificuldade de conseguir o armamento. Além disso, desde o início da pandemia do novo coronavírus (há três meses), o servidor está afastado do trabalho por um atestado médico, por estar nos grupos de risco da Covid-19. Se o plano de fuga fosse colocado em prática, ele receberia um total de R$ 150 mil.

Prisão em flagrante

A DAI cumpriu um mandado de busca e apreensão - expedido pela Justiça Estadual - contra o servidor, em uma residência no Município de Itapajé, na última terça-feira (9), para colher documentos e mídias que colaborem com a investigação.

O homem terminou preso em flagrante por não estar na posse da arma funcional. A pistola calibre 380 estava com um comerciante da região, que apresentou a arma à Polícia Civil minutos depois. O agente penitenciário pagou fiança de R$ 1,5 mil e foi solto.

Informações Jornalista Fernando Ribeiro

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.